313287.1412

  • Recuperação de Créditos
  • 05/04/17

Como renegociar dívidas e limpar seu nome?


Contas, impostos, juros altos, inflação. No atual cenário econômico, muitos brasileiros recorreram ao cartão de crédito ou cheque especial, fizeram dívidas e ficaram com o nome sujo na praça. Agora, a pergunta que resta é: como renegociar dívidas e reverter essa situação?

Como a quantidade de inadimplentes é alta no Brasil e disputas judiciais saem mais caras para todo mundo, muitos credores fazem ofertas e praticam medidas flexíveis para receber os débitos, como alongamento de prazos, redução de juros ou, ainda, diminuição do saldo devedor.

Por isso, se você precisa renegociar dívidas, é hora de propor acordos aos credores. Para conquistar condições favoráveis para sair da lista de inadimplentes, porém, você terá que saber negociar e entender bem quais são os seus direitos e deveres.

Precisa de ajuda nessa? Confira o post de hoje e siga as nossas dicas.

Dicas para renegociar dívidas

Seja realista

Antes de ir até a loja ou instituição financeira para renegociar dívidas, calcule a quantia que você tem condição de pagar por mês. Não adianta nada assumir o compromisso de quitar parcelas que comprometerão o pagamento de gastos essenciais, como o seu aluguel, pois isso resultará em mais dívidas.

É preciso trabalhar com valores realistas para que seja possível encaixar o gasto dentro do seu orçamento. Na hora da negociação, só aceite acordos propostos pelo credor se eles atenderem às suas necessidades e a sua capacidade de pagamento. Caso o acordo não seja justo ou extrapole o limite que você pode pagar, é seu direito recusá-lo.

Atenção: Ao calcular quanto você pode pagar, lembre-se das rendas extras que ainda serão recebidas, como férias e 13º salário, e avalie a possibilidade de utilizá-las para abater o débito.

Cheque o contrato

Se você contraiu dívidas com o banco ou empréstimos com valores mais altos, a análise do contrato deve ser o primeiro passo para renegociar a dívida. Em muitos casos, contratos assim contém irregularidades que pioram as condições de pagamento, como a inclusão de taxas abusivas.

Por isso, antes de tudo, avalie o contrato e revise o cálculo do saldo devedor. Além de poder denunciar a existência de irregularidades aos órgãos de defesa do consumidor, você também pode utilizar o fato como argumento para conseguir condições melhores para quitar seu débito.

Vale lembrar que as políticas de renegociação que envolvem os bancos são, geralmente, abusivas, devido ao fato de não haver regulamentação na lei que trate do assunto. Muitos deles impõem regras sem considerar a situação e a renda do cliente, além de ignorarem também os valores que já foram pagos.

Vai renegociar dívidas com bancos? Avalie o que é melhor

Pesquise sempre quais são as condições oferecidas por outros bancos. Caso note que existem condições melhores de pagamento (juros menores, melhores taxas ou prazos maiores, por exemplo), você pode exigir que seu banco te ofereça oportunidades semelhantes. Além disso, você também tem o direito de transferir sua dívida para outra instituição financeira.  

Também é importante avaliar com cuidado propostas oferecidas por bancos, pois, além de possuir valores altos, elas apenas prolongam a dívida, aumentando o número de parcelas para que o devedor acredite que é capaz de arcar com a prestação. Porém, maior número de parcelas também significa maior quantia paga referente a juros.

Negocie diretamente com o credor

Ao renegociar dívidas, o propósito dos devedores é flexibilizar o pagamento. Porém, os agentes intermediários, como empresas de cobrança, normalmente não adotam medidas para facilitar a quitação dos débitos, já que recebem comissão sobre o valor pago pelos clientes.

Por isso, prefira sempre tratar o assunto diretamente com o credor para que suas chances de obter descontos e outras facilidades sejam maiores.

Tente resolver o problema o mais rápido possível

Ao perceber que não vai conseguir arcar com os prazos e parcelas das suas dívidas, o melhor é fazer é buscar uma solução antes que o problema vire uma bola de neve. Não espere para procurar o credor, explicar a sua situação e propor uma renegociação logo no início da dívida.

Ao renegociar dívidas, atente-se às taxas de juros propostas

Não é seu dever aceitar logo de cara a taxa de juros proposta pelo credor. Ela é negociável! Porém, seja pé no chão e não exija descontos excessivos. Atente-se às taxas e, para assegurar-se de que está de acordo com o que está sendo cobrado, solicite sempre os demonstrativos do saldo devedor.

Atenção! As taxas de juros permitidas são de 1% ao mês pelo atraso no pagamento, enquanto multas não podem exceder o limite de 2% do valor da dívida, assim como determina o Código de Defesa do Consumidor. Qualquer cobrança adicional é proibida!

Caso perceba que tenha realizado o pagamento de taxas mais altas do que isso, é seu direito exigir o estorno dessas cobranças.

Mutirões de renegociação facilitam o pagamento

Fique de olho: instituições financeiras, como os bancos e administradoras de cartões de crédito, têm o costume de promover mutirões para convocar os inadimplentes para pagar seus débitos. Essa costuma ser uma boa oportunidade para renegociar dívidas, pois, quando a proposta de quitação parte do credor, os descontos oferecidos costumam ser bons.

Peça desconto quando for pagar à vista

Se você tiver dinheiro suficiente para quitar seu débito integralmente, essa é a melhor oportunidade para tentar diminuir a dívida e pedir um desconto para o credor. Para ele, costuma ser uma boa opção facilitar o lado do devedor para, em troca, receber o dinheiro de imediato. Por isso, negocie!

Não repita o mesmo erro

Depois de renegociar dívidas e pagar o que deve, policie-se para não perder o controle das finanças novamente. Lembre-se que, quando o inadimplente é reincidente, instituições financeiras ficam menos flexíveis na hora da renegociação.

O melhor a fazer é se prevenir. Confira 12 maneiras de enxugar o seu orçamento para não cair, mais uma vez, na armadilha do endividamento.

Esclareça suas dúvidas antes de renegociar dívidas

Na hora de limpar seu nome, tenha sempre em mente a importância de prestar muita atenção nos aspectos financeiros do que você vai pagar: verifique se o valor devedor está correto, se os juros foram aplicados de acordo com o esperado e, principalmente, se você terá condições de arcar com as parcelas.

Se ainda te sobram dúvidas, você pode (e deve) esclarecê-las em órgãos de defesa do consumidor, como no Procon da sua região. Outra dica é analisar com cuidado todas as cláusulas do contrato e verificar se existem pontos abusivos e proibidos por lei. Nessa hora, contar com a ajuda e orientação de especialistas pode fazer toda diferença.

A Moisés Freire Advocacia possui vasta experiência no aconselhamento jurídico de clientes dos mais variados portes, além de uma equipe altamente capacitada em análise econômico financeira e análise estratégica de crédito, pronta para oferecer serviços adequados às necessidades de cada pessoa.

 



Conteúdo
relacionado por:

Assunto
Advogado

  • Notarial e Registral
  • 03/05/19

Consultoria nos trâmites matrimoniais

Leia mais
  • Estruturação de empresas
  • 19/01/18

Onde pedir ajuda na crise?

Leia mais
  • Estruturação de empresas
  • 20/11/17

Permuta corporativa: uma modalidade a ser aproveitada na crise

Leia mais
  • Notarial e Registral
  • 16/11/17

Acordo pré-nupcial é coisa de gente rica? Veja 6 motivos para fazer um

Leia mais
  • Trabalhista
  • 27/09/17

Crise financeira: cuidados que toda empresa deve tomar para evitar processos

Leia mais
  • Trabalhista
  • 24/07/17

Entenda as mudanças da Reforma Trabalhista

Leia mais
  • Estruturação de empresas
  • 12/07/17

Como superar a crise financeira na sua empresa

Leia mais
  • Notarial e Registral
  • 27/04/17

Testamento Vital: o que, como e por que fazer?

Leia mais
  • Transporte
  • 13/04/17

Conheça as novas regras da Anac para serviços aéreos

Leia mais
  • Recuperação de Créditos
  • Estruturação de empresas
  • 21/03/17

Planejamento financeiro empresarial: 7 dicas para colocar em prática

Leia mais