313287.1412

  • Ambiental
  • Minerário
  • 27/07/16

Reflexões sobre a efetividade do licenciamento ambiental

Por: Anderson Marques Martinez Lara | Diego Koiti de Brito Fugiwara |


Inúmeras são as críticas ao procedimento administrativo de licenciamento ambiental. Tantas, talvez, quanto as propostas para sua imediata “desburocratização” e “simplificação”.

Embora sejam praticamente unânimes as opiniões quanto à necessidade de se aprimorar esse instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente, importante ponderar que, na essência, os problemas no caminho até a obtenção de um ato autorizativo ambiental não se diferenciam muito daqueles existentes em outros segmentos da prestação de serviços públicos.

Morosidade, excesso de formalidades, falta de clareza nas regras procedimentais e elevado grau de subjetividade na análise de questões técnicas e jurídicas são apenas parte do que se enfrenta na missão hercúlea do licenciamento ambiental.

O Projeto de Lei n°. 654/2015, que tramita no Senado Federal, representa tentativa direta de simplificação, com foco especial na celeridade da tramitação do licenciamento ambientalde empreendimentos de infraestrutura tidos por estratégicos ao desenvolvimento nacional, mais especificamente: (i) sistemas viário, hidroviário, ferroviário e aeroviário; (ii) portos e instalações portuárias; (iii) energia; e (iv) telecomunicações.

No campo das opiniões contrárias, estão aqueles que defendem que a aprovação do projeto de lei acarretará o enfraquecimento do licenciamento ambiental, haja vista, por exemplo, a fixação de prazos para a manifestação conclusiva dos órgãos ambientais, determinando que o procedimento como um todo se estenda por, no máximo, sete ou oito meses.

Nesse contexto, destacamos duas questõesgerais e, de certa forma, conexas, que, se corretamente enfrentadas, elevarão sobremaneira o sucesso no aprimoramento pretendido pelo Projeto de Lei n°. 654/2015 ou por qualquer outra proposta.

No primeiro plano, o procedimento administrativo de licenciamento ambiental, tal como estabelecido hoje, acabou por se tornar um fim em si mesmo. O conteúdo exigido para a regularização de empreendimentos e atividades potencialmente poluidoras e degradadoras do meio ambiente está cada vez mais próximo do cumprimento de sucessivas formalidades procedimentais, que alongam demasiadamente o tempo para que se obtenha uma resposta conclusiva, e mais distante da avaliação da qualidade técnica dos estudos, planos, programas e projetos apresentados.

Não há nenhuma garantia de que os longos períodos de tramitação dos processos e de que as incontáveis exigências adicionais, as reiteradas informações complementares e a intervenção obrigatória dos mais diversos órgãos da Administração contribuam para a efetividade do licenciamento ambiental. De fato, não têm contribuído.

É preciso, portanto, redirecionar o foco e os esforços despendidos por empreendedores e órgãos públicos, garantindo a redução dos prazos de resposta, mas, também, posicionamentos técnicos e análises conclusivas consistentes, que assegurem equilíbrio entre o crescimento socioeconômico e a utilização de recursos ambientais e ofereçam segurança para a sociedade.

No plano complementar, necessário corrigir a compreensão equivocada de que a licença ambiental encerra o licenciamento quando, na verdade, é apenas e tão somente o seu marco inicial. De nada adianta um licenciamento ambiental de excepcional qualidade técnica, concluído em tempo razoável de duração, se suas obrigações não forem corretamente executadas.

É preciso compreender, sob o aspecto mais pragmático, que o licenciamento ambiental nunca se encerra. Da licença ambiental, deve se estabelecer um ciclo contínuo entre a execução técnica das obrigações pelo empreendedor (planos, programas, projetos, monitoramentos e condicionantes ambientais) e o exercício efetivo do poder-dever de fiscalizar que incumbe à Administração.

Imprescindível, por fim, que além das consequências indesejadas, as causas sejam também atacadas. Nenhuma redução drástica de prazos prevista em lei será efetiva se não houver, por exemplo, o reforço qualitativo e quantitativo dos quadros técnicos dos órgãos ambientais. Da mesma forma, necessário que se assuma cautela com os excessos, em especial, com uma aparente sobrevalorização do licenciamento ambiental, que, por sua própria natureza, é limitado. Orienta, mas sozinho não constrói a realidade.

 



Conteúdo
relacionado por:

Assunto
Advogado

  • Gestão Fundiária
  • 16/04/19

RECEITA FEDERAL ATUALIZA CRITÉRIOS PARA CÁLCULO DO ITR

Por: Bernardo Freitas Graciano

Leia mais
  • 27/08/18

O compliance na proteção de dados pessoais

Leia mais
  • 07/02/18

GESTÃO FUNDIÁRIA

Por: Bernardo Freitas Graciano

Leia mais
  • Notarial e Registral
  • 19/09/17

STF equipara a união estável ao casamento para efeitos sucessórios

Por: Bernardo Freitas Graciano

Leia mais
  • Ambiental
  • 09/06/17

O Dia Mundial do Meio Ambiente e o papel do Licenciamento Ambiental

Por: Bruno Malta Pinto

Leia mais
  • Ambiental
  • 21/03/17

Breves reflexões sobre o Dia Mundial da Água

Por: Diego Koiti de Brito Fugiwara

Leia mais
  • Cível
  • 20/03/17

Os impactos do novo Código de Processo Civil na advocacia empresarial

Por: Mateus de Andrade Amaral

Leia mais
  • Estruturação de empresas
  • 17/01/17

A alternativa da recuperação judicial

Por: Jason Ribeiro Pimentel Luiz Cláudio Isaac Freire

Leia mais
  • Notarial e Registral
  • 17/01/17

Alienação fiduciária: saiba como funciona

Leia mais
  • Notarial e Registral
  • Cível
  • 27/10/16

O PACTO PÓS-NUPCIAL: na alteração de regime de bens após autorização judicial e na retificação de registro civil

Por: Bernardo Freitas Graciano

Leia mais
  • Notarial e Registral
  • 18/08/16

Apostilamento de documentos públicos em cartório para uso nos países participantes da Convenção de Haia já está em vigor

Por: Bernardo Freitas Graciano

Leia mais
  • Bancário
  • Estruturação de empresas
  • Falências e recuperação judicial
  • Recuperação de Créditos
  • 27/07/16

Reestruturação financeira, crise e a grande oportunidade

Por: Luiz Cláudio Isaac Freire Jason Ribeiro Pimentel

Leia mais
  • Cível
  • Direito Público
  • 27/07/16

Os impactos do novo Código de Processo Civil na advocacia empresarial

Por: Mateus de Andrade Amaral

Leia mais